Tocantins 32° C

Fiscalização orienta banhistas e embarga três estabelecimentos

Foram abordados 144 estabelecimentos, emitidas 64 notificações e 19 autos de infrações aos que descumpriram as normas sanitárias de combate à Covid-19.

Thomas Hessel - Palmas, TO

08/06/2021

| Atualizado em

12/06/2021

111

Fiscalização orienta banhistas e embarga três estabelecimentos

Palmas, TO - Durante fiscalização da Comissão de Monitoramento de combate a Covid-19 realizada no feriado prolongado, de 03 a 06 de junho, foram embargados três estabelecimentos, sendo 144 foram abordados, emitidas 64 notificações e 19 autos de infrações. Com o intuito de coibir aglomerações, as equipes visitaram todas as cinco praias de Palmas, orientando o público para o uso de máscaras e distanciamento físico.

A comissão conta com a participação dos fiscais de Obras e Posturas e da Vigilância Sanitária (Visa), guardas metropolitanos, agentes de Trânsito e Transporte, e apoio da Polícia Militar (PM).

Os três estabelecimentos embargados são da região sul, bares em Taquaralto, Aureny II e Aureny IV. “Esses estabelecimentos foram embargados porque tinham muita aglomeração no local, nossos ficais já haviam notificado e até aplicado o auto de infração em outras fiscalizações, e desta por continuar descumprindo o que determina os decretos tivemos que fechar”, explica o diretor de Obras e Postura, Adriano Parrião.

Os fiscais percorreram as praias da Graciosa, do Prata, das Arnos, do Caju e dos Buritis. Ao chegarem nesses locais com a polícia e a Guarda Metropolitana de Palmas (GMP), muitas pessoas que estavam aglomerando acabavam se dispersando, e as que ficavam eram orientadas a respeitarem as normas sanitárias para o enfrentamento da Covid. Todos os quiosques das praias foram notificados para que cumprissem o distanciamento mínimo entre as mesas e cadeiras.

Durante as noites, a operação percorreu regiões de chácaras de eventos e estabelecimentos de funcionamento noturno na cidade. A equipe também recebeu seis denúncias de aglomeração. Segundo a gerente da Vigilância Sanitária (Visa), Joselita de Moura Macedo, duas denúncias foram procedentes e os estabelecimentos que havia aglomerações foram notificados. “Tivemos também denúncias de quatros aglomerações em chácaras, mas quando os fiscais chegaram ao local, não foi constatada festa clandestina ou aglomeração.”

Denúncias de aglomerações, festas clandestinas e desrespeitos às normas sanitárias, podem ser feitas pelo Siop, no 190, ou pela Guarda Metropolitana, no 153, e também na Ouvidoria Municipal pelo 0800-6464-156 ou e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..