Tocantins 31° C

HGP faz mutirão para tratar lesão de colo de útero no TO

A ação faz parte da estratégia do Opera Tocantins e foram beneficiadas 15 pacientes que aguardam na lista de espera pelo procedimento

07/10/2019

| Atualizado em

07/10/2019

1544

HGP faz mutirão para tratar lesão de colo de útero no TO

Palmas, TO - Com o intuito de zerar a fila de espera por procedimentos eletivos, um mutirão de conizações na prevenção do câncer de colo do útero foi promovido neste domingo, 06, no Hospital Geral de Palmas (HGP). A conização é o nome um tratamento cirúrgico que consiste na remoção de um fragmento do colo do útero (em forma de cone). Este procedimento é realizado em algumas mulheres com suspeita de câncer de colo de útero, com intuito de diagnosticar e tratar a lesão. A iniciativa mobilizou a equipe da oncoginecologia, e equipe de apoio da unidade. No total foram 15 mulheres contempladas com a ação.

O mutirão faz parte da estratégia Opera Tocantins criada pela Lei Nº 3.369/2018 que dá direito ao PAGH-Cirúrgico conferindo aos profissionais contemplados na norma, desde que atuem na realização do procedimento cirúrgico eletivo em horários que não coincidam com o cumprimento de sua jornada ordinária ou extraordinária, podendo o profissional atuar aos sábados, domingos, feriados, dias de ponto facultativo e durante a semana inclusive em período noturno e madrugada.

“Este mutirão beneficiou várias mulheres na intenção que elas não desenvolvam a doença e seja feito uma cirurgia curativa, diminuindo a proporção de menos limite no futuro reprodutivo e sexual. E vai ser dado seguimento com acompanhamento ambulatorial para um período mínimo de dois anos”, afirmou a médica ginecologista e obstetra Franciely Batista de Oliveira.

Segundo o diretor geral do HGP, Leonardo Toledo “o Mutirão faz parte do Opera Tocantins e vem beneficiar as pacientes que aguardavam por este tipo de procedimento eletivo na nossa unidade. Nosso principal objetivo é zerar a fila de espera. O mutirão contou com uma equipe qualificada de profissionais dedicados à assistência destas pacientes”, destacou.